O Dia Nacional do Ostomizado (16 de novembro), tem o objetivo de combater o preconceito da pessoa que precisou realizar uma cirurgia na parede abdominal para criar um novo caminho de eliminação das fezes. A bolsa de colostomia realiza a comunicação do cólon com o exterior do corpo e pode ser indicada em pacientes que passam por procedimentos cirúrgicos no intestino delgado ou grosso, que têm infecções graves, como diverticulite e inflamação de pequenos sacos no cólon. A doença inflamatória intestinal, lesão do cólon ou reto, bloqueio intestinal e também algum acidente como é o caso do presidente Jair Bolsonaro, são outros exemplos que podem indicar a necessidade do uso da bolsa de colostomia. O uso da bolsa pode ser provisório ou permanente, dependendo do diagnóstico do paciente.

Uma das dúvidas mais frequentes sobre a bolsa é se ela deixa escapar algum cheiro ruim. “É bom frisar que a bolsa não tem cheiro, mas as fezes sim. Por isso, manter a higiene da bolsa e esvaziá-la e fechá-la com cuidado é muito importante para evitar algum constrangimento”, destaca a coloproctologista do Gastro Medical Center em Florianópolis, Juliana Stradiotto Steckert.

A bolsa coletora é acoplada ao corpo por meio de cirurgia. Tem capacidade de até 500ml e deve ser esvaziada conforme vai enchendo, procedimento que é realizado diretamente no vaso sanitário. É recomendado que o paciente tenha cuidados higiênicos na região e que a bolsa seja trocada a cada cinco dias ou de acordo com a indicação do fabricante.

A ostomia é considerada uma deficiência física e garante aos pacientes direitos como acesso preferencial em filas e isenção de alguns impostos. Pacientes ostomizados são orientados a promover alterações na alimentação com o objetivo de evitar odor das fezes, gases, fezes amolecidas e prisão de ventre. Essas orientações são passadas e ajustadas na consulta médica. A bolsa de colostomia não é visível e o ostomizado pode trabalhar, viajar, praticar atividade física e manter sua rotina de convívio social, desde que siga as recomendações de utilização do produto e mantenha a rotina de consultas médicas.

**************************
Gastro Medical Center

Telefone: (48) 3030 2930
Whatsapp: (48) 3030 2930
E-mail: atendimento@gastromedicalcenter.com.br
Website: gastro.floripa.br

Faça contato para saber sobre planos de saúde e formas de pagamento.

Diretor Técnico: Dr. Silvio Feiber Filho – CRM/SC 7843 – RQE 6243

Conteúdo meramente informativo, não devendo ser
utilizado para realizar diagnósticos ou tratamentos.
Consulte um médico em caso de dúvidas.

Diretor Técnico: Dr. Silvio Feiber Filho
CRM/SC 7843 RQE 6243
Feito para você de ❤ Políticas de privacidade